Empresa

A DGR Investimentos é uma Administradora de Recursos de Terceiros autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) através do Ato Declaratório número 10.406, de 28 de maio de 2009, e aderente ao Código de Auto-Regulação da ANBIMA – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (união da ANBID e ANDIMA).

ANBIMA

Gestora independente, não possui vínculo com qualquer instituição financeira. Inexiste, em suas atividades, qualquer tipo de conflito de interesse que possa comprometer sua independência e dedicação total ao cumprimento do Mandato outorgado pelos seus clientes. A crescente sofisticação dos investidores e dos produtos financeiros abre espaço cada vez maior para a Gestão Independente como já ocorrido nos grandes centros financeiros mundiais e agora se tornando cada vez mais comum no Brasil

Seus sócios têm vasta experiência no mercado de capitais e possuem sólida formação acadêmica.

O objetivo da empresa consiste na gestão de Fundos de Investimento diferenciados e adequados aos interesses de seus clientes compatíveis aos seus perfis de risco e retorno.

Os Fundos sob gestão da DGR estão sujeitos exatamente às mesmas normas e controles de qualquer outro fundo do país, mesmo daqueles ligados a grandes bancos e instituições financeiras.

Algumas atividades de administração foram terceirizadas a instituições de renome nacional e internacional com o objetivo de dar maior transparência e segurança às suas atividades:

Empresa subsidiária do The Bank of New York Mellon Corporation. Uma das maiores empresas de serviços financeiros no mundo. É responsável por toda a administração dos Fundos geridos pela Diferencial/DGR; precificação dos ativos para cálculo de cotas, controle de risco e distribuição são algumas de suas atividades.


Executa os serviços de custódia e tesouraria dos Fundos geridos pela DGR

 

 


Presta os serviços de auditoria dos Fundos geridos pela DGR.

 

 

FUNDOS DE INVESTIMENTO

No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ)  pois trata‐se de uma pessoa jurídica .

Para existir como uma pessoa jurídica o fundo de investimento deverá ter um estatuto social (que deverá ser registrado em um cartório de notas e oficio) onde constarão os direitos e deveres dos cotistas bem como os aspectos relativos à organização social do fundo.

Como todo condomínio, a Assembléia de cotistas é o órgão decisor e a ela cabe aprovar o balanço social do fundo bem como definir certas funções administrativas que um fundo necessita para ser aprovado pela Comissão de Valores Mobiliários  que é o órgão do Governo Federal responsável pela fiscalização dos fundos de investimento.

As funções administrativas são as seguintes:

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO: será o responsável pela gestão do patrimônio do fundo de investimento. O gestor poderá ser uma pessoa física ou uma pessoa jurídica em ambos os casos necessitam de um registro junto a Comissão de Valores  Mobiliários (CVM).

ADMINISTRADOR: será o responsável pela representação do fundo perante os órgãos de fiscalização do governo federal, Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ou o Banco Central do Brasil, necessariamente o administrador deverá ser uma instituição financeira aprovada pelo Banco Central do Brasil. Uma das funções do administrador é a determinação do valor da cota do fundo.

CUSTODIANTE será o responsável pela guarda dos títulos que compõe a carteira de investimento do fundo de investimento, o custodiante deverá ser uma empresa com autorização do Banco Central do Brasil para exercer essa função.

AUDITOR: realiza um exame cuidadoso e sistemático de todas as operações realizadas pelo gestor cujo objetivo é averiguar se as mesmas estão de acordo com as normas legais vigentes.